domingo, 19 de agosto de 2012

Mania de Botão



Em cima da minha cabeça
Duas nuvens no céu limpo de inverno
Separadas pelo azul aquecido de um sol
- que não consegue tocar a nossa pele
Até que o vento que congela as nossas faces 
Força as nuvens a se encontrar

Faz frio onde estamos
E ainda que estejamos tão distantes
Quando estas nuvens se tocam
Formando então um desenho
Que não reconhecemos (mas sentimos)
Me lembram o que não consigo esquecer

Há tanta coisa na vida que são eternos mistérios...
Será por isso que fazem-se tão belas todas as coisas?

Assim, enquanto não houver respostas
Para todas as nossas dúvidas
Não nos cansaremos de buscar um ao outro
Assim como as flores que - amarrotadas
Esperam a primavera para desabrochar
E ainda depois de desamarrotadas
Não entendem, mas encantam - e sabem!
Até aqueles que passam apressados
(Pois querem dizer alguma coisa)

E até que o sol toque minha pele
Avisando que chegou a hora de despertar
Outros diálogos mudos tentarão me mostrar
Dezenas de coisas que palavras não explicam
Deus, tire de mim essa mania de ser botão
Preciso respirar ...

(Débora Paixão)

5 comentários:

Luiza Vinhosa disse...

"Assim, enquanto não houver respostas
Para todas as nossas dúvidas
Não nos cansaremos de buscar um ao outro"

Adorei! Principalmente esse trecho.

Beijos

Anônimo disse...

Vc parece ser uma garota ta~o inacessivel, tal qual uma princesa em seu castelo! Mas, quando abre seu coraça~o, mostra o quanto vai alem de aparencias, embora sejam por palavras que se fazem conhecer alguns de teus sentimentos mais lindos. Tal qual na obra do Pequeno Príncipe, é a flor que cativa, e a poesia que escreve sa~o as palavras se apropriando de todo teu encanto e ternura. O céu pertence às estrelas e as nuvens, e é o lugar para o qual vc sempre me transporta com tudo que expressa. Com certeza, o maior mistério de todos sa~o as mulheres, por isso são sem sombras de dúvidas, a maior e mais especial beleza do universo. E vc representa muito bem o que isso quer dizer. E tenha certeza que sendo um botão ou uma flor que já desabrochou, o que mais transcende este processo todo das flores, é o fato delas apenas serem esta obra divina, de perfumes incomparáveis, belezas raras e as mais dificeis de se encontrar sa~o aquelas que merecem toda nossa atença~o. Vc traduz toda essa analogia sendo vc, e saiba que sua respiraça~o é o oxigenio que mantem vivo o sonho de acreditar em contos de fadas, pq vc é uma princesa de verdade, e o seu principe deverá tratá-la assim sempre. Parabéns por tudo, e tenho certeza que o tempo trará as respostas que espera e toda felicidade que merece ter. Bj.

Mayla: Doida e Santa ;) disse...

Paixão, minha melancia linda, saudade de você e já me curando dessa saudade danada aqui na sua escrita, tudo permanece forte e sincero como você.

Beeijinho!

Carlos disse...

Eu também tenho mania de botão, Deh! Mas qualquer hora dessas, quando a gente menos esperar, chega a primavera e a gente desabrocha em cores, não acha? rs

Lindo poema, Paixão!

Paixão disse...

Obrigada companheiros :)

beijos