domingo, 27 de setembro de 2009

.coração primaveril.


Uma margarida singela, cheia de vida
Resolveu florescer na seca enfim
E o frescor da estação lavou a ferida
Do gelo que queimou dentro de mim

Subitamente o sol se abriu em meu peito
E trouxe de fora o que havia de mais belo
Escondendo entre o branco e o amarelo
O encanto que havia sido desfeito

Se olhares para dentro de mim agora
Verás que a luz que irradia minh'alma
Não tem a amarga sombra de outrora

Pois esta deu lugar a magia da aurora
Que pelo ar leva a brisa que acalma
E a espalha lentamente, mundo a fora.
Débora Paixão

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Pergunte a si mesmo




Com qual frequência você faz perguntas a si mesmo?

Eu sou feliz? O que me faz feliz? Qual o preço da felicidade?
Quanto valem meus princípios? O que eu posso esperar de mim? O que não posso?
O que posso esperar dos outros? O que não posso?
Será que vale a pena me arriscar? Quando virá outra oportunidade como essa?
O que eu tenho feito de bom para os outros? O que eu tenho feito por mim?
Por que seres humanos são egoístas? E por que tantas vezes eu me recuso a assumir que também sou?
O que é verdadeiramente eu? Quanto do mundo há em mim? E quanto há de mim no mundo?

Eu não tenho respostas para nenhuma dessas perguntas, a intenção é sempre essa. Mesmo que eu tentasse explicar, não conseguiria, não poderia.
Nós sempre sabemos as respostas, mas não adianta tentar expressar de qualquer forma que seja. A resposta está além de nós e nós apenas sentimos. Transcrevê-las é algo que está fora de nosso alcance, eu já perdi meu tempo tentando, mas sinceramente prefiro encontrá-lo em mim, sempre perguntando...


Débora Paixão

domingo, 13 de setembro de 2009

Se e apenas


Eu não esperava encontrar você. Não digo hoje, não digo um dia. Digo nunca.
Nunca esperei conhecer alguém que mesmo depois de ter conhecido, e falado e tocado e sentido; conseguisse me fazer acreditar que não existe. E que por mais que me desse provas de que é real, ainda assim não conseguisse me convencer. Nem por um dia. Nem por um minuto sequer.
Eu posso te ver. Posso te tocar. Posso sentir a sua vibração e o seu cheiro quando você passa por mim, mas isso ainda não é o suficiente para provar que você realmente está onde eu vejo, onde eu posso te sentir.
Como eu poderia imaginar encontrar alguém que, nem nos meus melhores e mais delirantes devaneios, se fazia tão perfeito, tão inatingível?
Se eu pudesse descrever-te em uma palavra apenas, teria que inventá-la. Não conheço uma pessoa, não conheço um romance, que tenha sido capaz de demonstrar ou descrever algo tão intenso e ao mesmo tempo tão real e tão ilusório, quanto a isso que eu sinto.
Se existisse uma definição, uma teoria, uma lei que explicasse tal sentimento, eu teria que reformulá-la para que atingisse o grau exato do que se passa aqui dentro. Se bem que eu não saberia afirmar ao certo, se o que ocorre se passa, ou permanece aqui dentro, ou se eu inspiro a cada lembrança do seu cheiro, da sua voz, do seu sorriso...
Se a razão, algum dia, já esteve do meu lado, agora eu tenho que brigamos e não faremos as pazes. O que resta em mim é apenas o paradoxo entre dúvida e certeza. Dúvida de que você não é apenas uma fantasia. Certeza de que é você. Pra mim. Só você. Só pra mim.
Como eu poderia me dar o luxo (ou o prazer) de viver física ou metafisicamente ao lado de um personagem animado?
Se eu pudesse apenas, por um segundo, acreditar que você é real e se você, apenas por um milésimo de segundo, pudesse notar minha presença, aqui, agora, do seu lado... Então eu seria feliz por um segundo inteiro. Ou até mais, quem sabe? E isso me bastaria.
O que eu sei hoje é que essa coisa toda dançando solta e dispersa em minha mente (ou no ar), um dia vai concretizar.
E se você quer saber eu acho mesmo que isso tudo está no ar. Dá pra sentir. Respirar.
Inspirar mantém o ritmo dos pulmões e do coração. E dá vida. E é isso mesmo. A minha vida está no que eu respiro quando você passa, ou fala ou sorri...
Está solta em tudo que você expira. E saber que o ar sempre circula, é a prova de que isso é eterno, porque ele sempre vai voltar pra dentro de mim...
Se e apenas se... Você continuar respirando.

Débora Paixão

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Apenas um poeminha diário.


Hoje, logo de manhã,
Enviei uma carta aos anjos
Ondas sonoras a levaram
Levemente aos céus
Pedi na carta musicada
Que um querubim descesse
E como se obedecesse
Jogou um manto lá de cima
Cantando uma canção que dizia
Que ele desceria em troca
Da minha eterna subida
Minh'alma ficou em choque
Mas por fim entendeu
Qual sentido de estar na terra
Um anjo que é Deus?

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Uma parte da história

- vc tem 21 anos né ?
- sim
- nunca namorou?
- não
- e vc gosta de uma pessoa ?
- talvez
- há tempos ?
- aiii ... pq?
- vc me intriga... me deixa louco..
- wooow (rs)
- é estranho ... estou falando sério.
- onde vc quer chegar? o que quer dizer? minha vez de ficar louca pode? (rs)
- não quero chegar a nenhum lugar ... não posso ... mas ... esse lugar existe! contudo ... não posso falar essas coisas ... me perdoa ... é forte pra mim ... tanto quanto pra vc ... não é nd tão demais assim ... mas ...

(Débora Paixão e ... )

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

olhe para os lados a fim de se encontrar

Quantas vezes nos distraímos na superficialidade do que encontramos a ponto de deixar que os detalhes passem despercebidos?

Olhe a sua volta, mergulhe dentro de si, e não encontrará nada que já não tenha encontrado. A diferença é que passará a conhecer as coisas que o cercam e o compõem e então saberá que os detalhes por trás do rótulo é que fazem a diferença.

por Débora Paixão.