terça-feira, 10 de janeiro de 2017

O Mar



O mar se espalha sobre as pedras
Se esparrama em reverência a todo o resto do mundo
Eu, simples sujeito, o reverencio.

O mar canta sua melodia espumada
Gotejando, chovendo, se expandindo
Enquanto eu me silencio.

O mar me causa indefinições
Tão profundo e tão superfície.

Mas quando o mar se desenrola
Em uma onda que me parece lamber os pés
Eu sei o que somos!

Mesmo sem poder dar nome...

(Débora Paixão)

2 comentários:

Manu disse...

Ahhhh, lindeza! O MAR! <3

Mateus Borba disse...

Neruda escreveu algo assim: "As ondas são as pálpebras da Terra". Lembro de ter lido, mas não achei na internet para escrever a frase exata.

Beijos, menina que dá voo às palavras.