quinta-feira, 12 de julho de 2012

Suspeito

suspeito que direi algo
parecer ter sentido
embora tudo que eu pense
esteja em mim refletido

falo das coisas que quero
e quero mais do que digo
pois fujo do que não quero
se algo me escapa, eu sigo

penso nas coisas que falo
e pra quem as tenho dito
mas não vejo sequer sinal
de quem me tenha entendido

busco encontrar a mim mesma
no meu eterno labirinto
perdendo-me sempre sozinha
ao me deparar com o que sinto

tudo que eu queria agora
caberia muito mais dentro
do que todas as coisas
que vejo do lado de fora

a lágrima chora
a batata cora
a água evapora
porque tudo na vida
meu bem, tem sua hora

se demora é porque precisa
se antecipa é porque apavora

acalme-se que tem jeito
e mesmo que force
que tente fazer perfeito

as coisas só serão
quando o ser tiver sido feito
e estar, por assim dizer: completo
para ninguém botar defeito.

- Débora Paixão

5 comentários:

Mao Punk disse...

Pois é! Você escreve sobre a vida, sobre os sentimentos que percorrem nos corações poéticos, de uma forma tão simples. E no entanto, tão exata!

"a lágrima chora
a batata cora
a água evapora
porque tudo na vida
meu bem, tem sua hora"

Exato. Tudo tem sua hora, e toda hora tem sua poesia. ;)

Beijos!

Rodrigo Passos disse...

gostei, de sua tempestades em versos . bravo!

Anônimo disse...

Quando que tudo fica completo? Seria possivel fazer o ser? Parabens por mais esta linda poesia e pelo seu otimismo, que a vida lhe sorria sempre.

Mateus Borba disse...

a lágrima chora
a batata cora
a água evapora
e eu aqui
pondo sal nesta sopa rala
que mal vai dar para dois


Beijões.

Paixão disse...

Obrigada gente!

Mateus, vc é fod* rs

beijosss