terça-feira, 24 de agosto de 2010

Pode ser, ou não!

Pode ser que a maldade nasça com as pessoas, mas pode ser também que ela seja aprendida. A bondade também.
Talvez as pessoas gostem de ser más, vez ou outra... e são. Depois fingem que foi sem querer.
É bem capaz que o bem seja feito na maioria das vezes, nem por vontade própria, mas principalmente pela forma com que os olhos do outro passarão a nos ver.
Pode ser que as pessoas gostem de se fazer de vítimas, mas pode ser que elas sejam realmente vítimas de uma coisa ou outra, uma hora.
Talvez o sentimento de piedade seja tão bom que as pessoas procurem algo para terem piedade de si mesmas.
É bem capaz que o desejo de cometer loucuras nos atormente de forma muito frequente, se for comparado ao desejo de fazer o bem.
O bem é ensinado de muitas formas, a loucura se aprende sozinha.
Nem toda loucura é má, mas, na maioria das vezes, submete alguém a algum risco.
Arrisco ainda em dizer que as pessoas que não se arriscam, sentem muito mais desejo de se arriscar.
Desejos não se controlam. Algumas ações sim.
Talvez o ser humano esteja mais para monstro do que belo. Talvez não.
Pode ser que a vida tenha se mostrado mais amarga que doce, para um, para outro, para muitos, para mim ou para você, certamente para alguém.
Talvez o caminho das nuvens seja feito de pedras que machucam ao pisar descalço, mas talvez seja assim que se deve chegar lá, com calos.
Os calos trariam neles histórias para contar. Trariam dores além das físicas.
Pode ser que as coisas sejam mais do que se possa ver, mas pode ser que seja preciso olhar o que está frente aos nossos olhos.
Talvez o mundo precise reaprender a enxergar as coisas, ou as pessoas precisem reaprender a enxergar o mundo, ou até mesmo as coisas, quem sabe até as coisas precisem reaprender a enxergar outras coisas, outras pessoas, outro mundo...


(Débora Paixão)

7 comentários:

Marí disse...

é, pode ser..ou não!

Que belo e que verdade!

*Sabedoria diária*
'Pode ser que as coisas sejam mais do que se possa ver, mas pode ser que seja preciso olhar o que está frente aos nossos olhos.'


Um beijo*

Glauber Marinho disse...

ou o mundo precisa das coisas pra reaprender a enxergar as pessoas, ou as coisas precisam do mundo pra reaprender a enxergar as pessoas, ou as pessoas precisam das coisas pra reaprender a enxergar o mundo, ou as pessoas precisam do mundo pra reaprender a enxergar as coisas, ou as coisas precisam do mundo pra reaprender a enxergar as pessoas, ou mesmo as coisas precisam das pessoas pra reaprender a enxergar o mundo...

hehehehehe
=o*****

Glauber Marinho disse...

ou talvez o mundo precise das coisas pra reaprender a enxergar as pessoas, ou talvez o mundo precise das pessoas pra reaprender a enxergar as coisas, ou talvez as coisas precisem do mundo pra reaprender a enxergar as pessoas, ou talvez as coisas precisem das pessoas pra reaprender a enxergar o mundo, ou talvez as pessoas precisem do mundo pra reaprender a enxergar as coisas ou mesmo talvez as pessoas precisem das coisas pra reaprender a enxergar o mundo...


tá massa, paixão

=o*****

Yago Nogueira disse...

Awn, adorei, como sempre, o texto. Causou bastante reflexão em mim. Principalmente no final, pois eu acredito piamente que o ser humano não é capaz de enxergar além de seu mundo, de certa forma, pra mim, a gente ainda vive em um 'antropocêntrismo'.

Beijos.

Tamára Roots disse...

Boa reflexão.
Acredito que o lance é saber a forma de enxergar a situação em cada momento.
Pode ser assim ou não.
Porém, é sempre bom escolher algum caminho..
Bons dias.

Paixão disse...

É preciso cuidado para lidar com as coisas que são dadas como absolutas, tudo pode ser ... ou não!

Obrigada gente!
bjs

Anônimo disse...

Contaminada pelo fenômeno, hein, Paixão?

Grande e altamente significativo!


Abraço do anônimo que não é anônimo.
Paulo