sábado, 13 de novembro de 2010

A 1ª Estrela

"Primeira estrela que eu vejo
Realize o que eu desejo"

Desejo que meu amado
Sinta o mesmo que sinto
Mas que ao menos ele
Sinta-se realizado

Quero também que me veja
Do mesmo modo como o vejo
Que sua vontade supere
A imensidão do meu desejo

Que ele possa me sentir
Assim, tão certo e tão forte
Como eu posso senti-lo
Tão presente e tão certo

E que o brilho das estrelas-irmãs
Que contrastam com a noite
Iluminem o escuro do meu coração
Que no momento bate estrelado
Com uma plaquinha de ocupado
Sonhando um amor em vão

(Débora Paixão)


Nota: Poema escrito há quase uma década e esquecido, relembrado ao retomar uma caixinha de recordações. Editado em algumas partes, com a idéia original mantida intacta.

8 comentários:

Alice F. disse...

Aaai que liiindo, Paixão! As vezes é tão bom encontrar registros passados né ? Parabéns!!

Fred Caju disse...

As gavetas sempre trazem antigas boas novas!

Derywendell disse...

Eita,os poemas esquecidos são os
mais misteriosos
rsrs
*_*

KIKA disse...

Débora, vc deveria escrever uma coletânea dos versos que fazes e dos que arquivados estão... são belíssimos.

bjs e ótimo feriado.

Luiza Vinhosa disse...

Lindo! =)

Isso sempre acontece comigo. Costumo encontrar textos "perdidos". Alguns nem lembrava que havia escrito...

Beijos

Nina disse...

Dizem que todo amor só é grande se for triste... Esse certamente é um grande amor!
Vc escreve mto bem.

Luiza Vinhosa disse...

Paixão, te indiquei ao Prêmio Dardos! Confira em meu blog...

Beijos!

Cat disse...

- Que bonito poema : D