sábado, 28 de janeiro de 2012

II

Teve a chance e não usaste
Mais de uma e nem notaste
Foi-se o tempo e ele não volta
Foi-se tanto pelo ralo
Por tantos buracos, menos portas
De tão perdidas, coitadas
Mil oportunidades se foram
Ao menos uma fosse usada
Outras mil delas voltariam
Se batessem noutras portas
Outros tantos me teriam
E como disse não usaste
Logo, a porta se fechara
Mesmo que bata forte
Mesmo que bata na cara
Estará batendo sozinho
Quando a gente se cansa
Bate na porta do vizinho ...

- Débora Paixão

5 comentários:

Xandy Britto disse...

Bonito, menina! Fazendo uma visita rápida! Depois volto! XB

A VIDA É UM ETERNO APRENDIZADO disse...

Olá!
Fiquei muito feliz em conhecer o seu blog.
Gosto muito de ler textos e poemas, isso faz com que eu cresça cada dia mais.
A vida se torna interessante, à medida que encontramos pessoas como você.
Grande abraço
Se cuida

disse...

Lindinho demais!!!
Há oportunidades que quando "fogem" ou deixamos "escapulir" pelo ralo não voltam nunca mais...

Saudades de você, Débora!!!

Beijos.

Paixão disse...

Obrigada, pelas visitas, ainda que rápidas e pelos comentários que sempre me fazem sentir que não estou falando sozinha ... rs

Beijos

Mateus Borba disse...

Você tem coisas que me trazem o Leminski, e eu acho isso sensacional.