terça-feira, 2 de outubro de 2012

que se dane






que se danem
a métrica
e as rimas ricas
na minha poesia
a rima que mais vale
é a que fica.


Débora Paixão

7 comentários:

Anônimo disse...

O mais interessante na arte, é que cada pessoa pode interpretá-la e fazê-la como bem entender. Mas (e em tudo sempre existe um mas!), tem algo acima do bem e do mal, que é a atitude e sentimentos expressos...e nestes quesitos a Paixão se destaca com méritos. Parafraseando a Pitty, você é aquela que não tem como não adorar e achar foda!!! Parabéns mais uma vez, por ser apenas...você!

Mateus Borba disse...

Lindo, Paixão. O que fica é o mais profundo, é o que ultrapassa a pele.

Beijos grandes.

Fred Caju disse...

Massa, embora eu me não tenha a mesma vontade de mandar a métrica se danar.

Paixão disse...

Eu respeito muito as métricas, admiro e adoro! Mas na minha poesia elas não cabem, se eu tento, elas me aprisionam então na minha poesia eu mando embora assim hahahah

elas me entendem! rs

Daíse disse...

Olá!!!

Li o primeiro post e não consegui parar mais... Adorei o seu blog!!!
Voltarei sempre!!!

Beijos!!!

Carlos Cruz disse...

Nem precisa, o que fica vale mais que métrica e rima rica :)

* disse...

E é por isso que sua poesia é tão boa. Ela é livre. Mas prende.