segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Toda vez que abro uma porta...


Toda vez que abro uma porta vejo uma sala e outra porta. Abro e vejo outra porta. Observo a minha volta, estudo e abro outra porta. As portas nunca acabam. Posso abrir todas as portas e estudar todas as salas, posso e devo, mas de nada me serviriam as portas se eu não olhasse, ou não sentisse, plenamente a luz que entra por elas quando as abro. As portas são infinitas. E eu nem citei, as janelas ...

Débora Paixão

3 comentários:

Carlos Cruz disse...

Saudades dos seus escritos, Passion!! Que essas portas e janelas por onde passas possam te trazer mais palavras pra vir compartilhar aqui com a gente!!
Bjão!!

Digo Zion disse...

Essa me fez refletir profundamente!

Paixão disse...

Carlão!!!!! <3 <3 <3

Que bom ler isso, Digo! Espero que não tenha chegado a nenhuma conclusão rs