terça-feira, 29 de março de 2011

Pandora

O espaço do tempo,
antes e agora.
A escassez da espera
longo tempo demora.
O comprimento da dúvida
expelida para fora.
O vazio de dentro
quando tudo evapora.
O ar que viaja
e não leva embora.
O não que afirma,
a certeza apavora.
A curiosidade do sempre
no novo se aflora.
Toda lógica aparente
some uma hora.
Antes que se tente
firmá-la com o presente,
saiba que piora.

(Débora Paixão)

8 comentários:

Geraldo de Barros disse...

Dé, muito bom, adorei :)

Bj

G.

Jim Carbonera disse...

bah essa parte:
O não que afirma,
a certeza apavora.
A curiosidade do sempre
no novo se aflora.

Perfeita!!

As vezes acho q somos movidos pela curiosidade :D

Mais uma poesia belissima! Ta de foder!! hahaha

Beijao

http://www.estilodistinto.com/

KIKA disse...

Débora, cada vez mais seus textos se aprimoram e encantam.
Parabéns!!
bjs

Mateus Borba disse...

Essa me pegou de jeito. Você escreveu meus dias de uns tempos pra cá.

Beijo grande.

Nielson Alves disse...

Muito digno seu poema.
muito lindo,

Por que você faz poema? disse...

A musicalidade dos versos dita o ritmo do tempo.

Branna disse...

'Toda lógica aparente
some uma hora.
Antes que se tente
firmá-la com o presente,
saiba que piora.'

E daí a gente abre a caixa e descobre que o pior sempre pode piorar.Triste conclusão a minha. =/

Lindo texto, ogra mia...
falou por mim.

bjs

Xandy Britto disse...

Lindo, menina! Muito belo!

XB