terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Sem tempo

O tempo escreve nosso destino usando caneta, não lápis. Se lápis fosse, apagaria metade. O corretivo não dá conta dos erros e erro maior é tentar corrigir as falhas que o tempo comete. Eu sigo apenas vivendo, um dia de cada vez. Um e o outro, o outro e o um. Não vejo erro algum no que faço agora, mas sempre que olho para trás vejo rasuras sobre o passado. Esperto esse tempo, pois não? Percebe os erros nas linhas, nas letras e nos parágrafos e cobre com riscos e rabiscos, tudo que escreveu às pressas, na falta dele mesmo talvez.
Débora Paixão

7 comentários:

Branna disse...

Putz!
Não incha ai n,
mas eu tô cada vez mais fã do q tu escreve.
Simplesmente perfeito!

Paixão disse...

haha
Gracias Branninha :)
faz um tempinho que escrevi este texto, aí lembrei dele e resolvi postá-lo
Que bom que gostou!

Besos en su corazón

Costureira de estrelas. disse...

E vc escreve tão bem :)
Invejinha ^^
rsrs
Mas é inveja boa, se é possível rsrsrs
Besitos :*

Anônimo disse...

Não há o que mudar. É só um rascunho que ficou para trás. A massa viva está no presente. Me ensina a escrever assim?

Gutemberg Soberano

Krystal Troyano disse...

adorei!
estou seguindo, beijos.

Finha disse...

caramba, vc escreve muito bem.
adorei o texto, lindo :)

Paixão disse...

Obrigada Gutem, Noeh, Krystal e Finha e a todos que andam lendo meu blog ...
Obrigada mesmo!

bjss